28 abril, 2010

Testando novas práticas


Nestas duas semanas de estágio estou testando novas práticas, os diálogos têm sido freqüentes, novos recursos didáticos práticos colocados em ação, as tecnologias estão sendo alternativas de aprendizagens, enfim estou ousando testar algo novo.

Quando me refiro ao diálogo freqüente, não me reporto as tradicionais explorações orais de texto literários; cujos livros didáticos do professor já trazem as respostas corretas, atribuo este conceito a um diálogo sem uma resposta padrão; sem a busca da certeza, como um caminho da infinitude, em suma, um diálogo que abre muitas portas, que por sua vez abrem outras e outras, cuja finalidade é a aprendizagem sem fronteiras.

Acredito que só o diálogo pode interagir e construir um mundo melhor e mais justo, que não se conforma com a reprodução e sim com a produção coletiva, crítica, política, consciente e reflexiva.

É na escola que o aluno aprende a valorizar e respeitar a opinião do outro, que o aluno se personaliza através da socialização.

A cada dia que passa, neste estágio, observo que há um avanço de socialização entre os alunos, pois eles escutam uns aos outros, valorizam as opiniões; mesmo que não seja referente ao assunto tratado. Porém, quando falo em valorizar as opiniões, não me refiro ao fato de concordar por concordar, mais sim, a valorização no sentido de também discordar; gerando uma discussão construtiva do conhecimento, de ambas as partes.

Além dos diálogos diferenciados, tenho colocado me prática alguns recursos didáticos, que almejam a aprendizagem dos alunos. Um dos exemplos é o calendário de varal, exposto na sala se aula, onde os alunos visualizam o dia de ontem; o de hoje e o de amanhã. Sendo que eles mesmos fazem as trocas das bandeirinhas, a cada dia que passa. Este calendário começa com uma série de apenas três dias e progressivamente vai aumentando, até chegar à semana completa.

Outro recurso didático bem prático, que eu mesma confeccionei, é o relógio de EVA. O que difere ele dos demais é a presença de números que indicam horas e os minutos. Na parte interna, estão os números que indicam as horas, já na parte externa estão os números que indicam os minutos.

Apesar de simples, estes recursos, eles são instrumentos de aprendizagem.

Para finalizar a postagem, falarei sobre o que acredito ser a minha maior ousadia, o uso das tecnologias da informação e da comunicação como aliada e facilitadoras do incremento da criatividade e aprendizagem dos alunos.

Abri um work para os alunos, onde serão realizadas as atividades relacionadas com o projeto, além disso, neste espaço os alunos registrarão suas descobertas e curiosidades, sobre os assuntos abordados.

No primeiro contato com o work, os alunos conheceram o espaço e suas ferramentas, como editar; tamanho e cor de fonte, salvar, visitar páginas dos outros grupos, deixar recados para seus colegas, etc.

Pretendo proporcionar no work, um espaço onde a opinião do aluno seja valorizada, onde ele tenha prazer em produzir algo de sua autoria, onde ele construa a sua própria aprendizagem.

Acredito que eu tenha muito o que aprender com essa relação didático-pedagógicas com as novas tecnologias, pois é um novo caminho que estou trilhando e que exige um novo olhar sobre a aprendizagem, uma nova forma de “ensinar”.

2 comentários:

Vanessa disse...

Olá Sueli!

Que bom que está levando para tua prática os aprendizados desta tua vida acadêmica! Estás ousando, e esta é a hora e o momento para isto ;)
A equipe do SI VII, fica a disposição para te auxiliar, ok?
Bjus,
Vanessa

Beatriz disse...

Su, a cada dia que passa melhor tu trabalhas!! Ficquei só com uma vontade que não consegui resolver: onde está o endereço do pbworks? Um abração
Bea